A trajetória das API’s e seu impacto no varejo on-line.

Já se foi o tempo onde o paradigma do mercado de e-commerce era encontrar um único provedor que construísse um sistema completo e que possuísse todas as soluções integradas para as necessidades de uma empresa. Com o volume de soluções digitais para empresas que existem hoje, sempre há uma solução específica e altamente especializada para um problema de negócio que precisa ser resolvido, porém é necessário integrar sistemas que são desenvolvidos por empresas diferentes, que usam linguagens e arquiteturas completamente diferentes, é aí que entram as API´s.

Desde o início da internet e do desenvolvimento do comércio digital, falamos sobre o problema da integração entre sistemas. Entretanto, o ano é 2021 e a indústria ainda luta para resolver esse problema de forma fluida. Quando falamos especificamente sobre o setor de varejo, isso tem implicações ainda mais profundas por causa da natureza do setor. Os paradigmas e sistemas legado sempre significaram uma camada a mais de complexidade quando a indústria precisou passar pela transformação digital nos anos 2000.

Por muitos anos as lojas físicas e seus sistemas não se integravam com os sistemas que foram projetados para a loja virtual, pela falta de comunicação entre as soluções não era possível ter uma experiência sem atrito entre o e-commerce e a loja física. Neste cenário, que é chamado de multicanalidade, os serviços e condições eram distintos entre canais: cupons de promoções, diferença de preços, devoluções, reembolsos, etc. Se um cliente comprasse um par de sapatos na loja online e quisesse devolvê-lo na loja física, simplesmente não era possível.

 

A experiência omnichannel: vantagem para as lojas físicas.

No final dos anos 2000, os maiores varejistas do mundo começaram a realmente investir pesado em estratégias de omnicanalidade, focando principalmente na integração de sistemas. Isso significa, em essência, que os sistemas na loja física do e-commerce estão integrados, fazendo com que a experiência do cliente seja única em todas as etapas da venda.

Essa integração entre canais oferece uma grande vantagem inédita para o varejo físico. Os lojistas passam a ter dados de muito valor sobre o histórico do cliente como seu histórico na loja. Isso ajuda as equipes comerciais a se aproximarem do cliente de forma customizada e oferecer um serviço individual e personalizado.

 

A solução: API’s.

A sigla API deriva da expressão inglesa Application Programming Interface que, traduzida para o português, pode ser compreendida como uma interface de programação de aplicação. Ou seja, API é um conjunto de normas que possibilita a comunicação entre plataformas através de uma série de padrões e protocolos.

As integrações de sistemas permitem que o e-commerce seja desenvolvido de forma modular, o que chamamos de Composable Commerce. Empresas podem então compor sua solução contratando provedores de tecnologia independentes e altamente especializados sem ter que se preocupar com a integração entre sistemas, tudo isso é solucionado pela a arquitetura de API’s, elevando todo o ecossistema.

 

Software Monolito vs Composable Commerce.

 

The Headless Commerce.

O headless commerce é uma tendência disruptiva de arquitetura e desenvolvimento de software que separa o front-end do back-end de um sistema, em outras palavras, isso significa é que a parte visual pode ser desenvolvida independentemente da parte lógica do sistema, mais uma vez isso dá agilidade para o desenvolvimento e principalmente permite que provedores de tecnologia se tornem cada vez melhores em suas áreas de expertise, tendo cada vez mais liberdade para inovar sem ter o risco de comprometer a outra parte do software. Como são duas partes bem distintas do negócio, essa mudança permite mais um passo em direção do composable commerce.

Mais que uma tendência, o API First Development veio para ficar, esse é o protocolo mais utilizado no mercado para a integração entre sistemas, funcionando como camada de conexão que permite que empresas possam criar bases sólidas e seguras para soluções fluidas entre fornecedores. Essa é a única maneira para garantir que o desenvolvimento de tecnologia possa trabalhar em conjunto para criar um ambiente mais poderoso, a fim de fornecer as melhores soluções possíveis aos clientes e, ao mesmo tempo, impulsionar novos talentos e empresas menores para o grande palco, democratizando a pesquisa e o desenvolvimento.

Para isso, é necessário um hub de APIs onde se conectam todas as APIs de um sistema. Essa mudança de mindset abriu margens para empresas que enxergavam a dificuldade na integração e uma nova possibilidade no mercado. A primeira plataforma do mundo que traz um conjunto robusto de gestão de APIs, Integração e DevTools é a LinkApi, startup que revoluciona a experiência em API’s com clientes em 14 países e diversas soluções e cases de sucesso.

Comentar