Porque a Black Friday de sucesso é aquela que tem planejamento.

Planejamento Black Friday

No segundo semestre do ano é comum as marcas acertarem os últimos detalhes da Black Friday e aquelas que não estão neste caminho, estão atrasadas. Afinal, não é segredo para ninguém que para uma Black Friday de sucesso, é necessário um planejamento com antecedência e no comércio eletrônico não é diferente.

Em 2020, com a aceleração digital, a Black Friday foi a grande estrela do e-commerce e a expectativa para 2021 também é grande. Isso porque o comércio eletrônico no Brasil bateu recorde e atingiu R$ 53 bilhões no 1º semestre, segundo estudo da Ebit | Nielsen.

Contudo, este crescimento resultou em um ponto de atenção não só para o evento deste ano, mas para os próximos. O comportamento do usuário mudou com a aceleração digital e hoje temos consumidores mais exigentes. Por isso algumas questões que nunca haviam sido pensadas no passado, agora precisam ser colocadas em prática.

 

Logística

Uma das áreas mais impactadas pelos novos hábitos do consumidor foi a logística. Diversos e-commerces e ecossistemas trabalham prazos de entregas menores, algo que não era tão comum em anos anteriores em que a compra demorava aproximadamente uma semana para chegar.

Hoje é possível, por exemplo, fazer uma compra on-line no domingo e receber o produto na segunda-feira antes das 17h, o que está se tornando uma prática e que no momento da Black Friday se tornará um desafio.

Por isso a recomendação é atenção redobrada nas estratégias de logística tendo em mente a expectativa do consumidor em encontrar produtos com entrega rápida e como fator de decisão na compra, lembrando que na data o volume de vendas será maior.

 

Percepções de compra

Em 2020 tivemos uma mudança nas categorias de produtos comercializados que continua em crescimento. Uma delas é o mercado de alimentos e bebidas, ou de groceries. Assim como o delivery, as compras de supermercado foram as categorias que mais cresceram em 2020, segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Em 2017, 2018 e 2019, jamais pensaríamos em uma Black Friday com produtos alimentícios em destaque. E mesmo com o avanço da vacinação e da liberação de bares, restaurantes e supermercados, a indústria de alimentos no digital ainda é relevante e por isso há uma grande expectativa deste setor uma vez que existe uma base maior de clientes para trabalhar a Black Friday dentro do segmento alimentício.

 

Performance do website x cuidados com as tecnologias.

Agora um ponto de atenção que nunca muda quando falamos em Black Friday, é a performance da loja on-line e o desenvolvimento de tecnologias que também precisam de planejamento. As marcas devem se organizar para que os times desenvolvam tudo o que será utilizado durante a Black Friday até no máximo outubro. Assim, durante o mês de novembro o foco deverá ser em testes em todo e-commerce: landing pages, integrações, estratégias de catálogo, promoções entre outros.

Não é recomendável neste período o desenvolvimento de novas funcionalidades e integrações. Muitos negócios nas últimas semanas de uma Black Friday, tentam incluir um novo fornecedor e às vezes um código simples, um JavaScript, pode entrar no lugar errado.

E isso resulta em perda de conversão e o tempo que podia ser investido em otimizações, é perdido para corrigir um problema que nem existia. Para aqueles que não planejaram novas features, o desenvolvimento de um aplicativo, ou a possibilidade de uma migração de plataforma, o foco é olhar para a sua loja on-line e para as ferramentas que você dispõe e identificar o que você pode melhorar para obter mais engajamento e conversão.

Uma melhoria que reduz o tempo em oito, sete, seis segundos resulta em um impacto
na taxa de conversão, pois esta diferença de tempo no carregamento pode ser um diferencial enorme entre o seu negócio e o do seu concorrente.

Comentar